quinta-feira, 5 de junho de 2014

Video para treinamento em Segurança do Trabalho - o que é...

Video de alguns anos atrás, porém ainda muito importante e de certa maneira essencial para se compreender muitos aspectos da Segurança do Trabalho.
Recomendo para treinamentos, fazendo-se as intervenções de acordo com a mudança na legislação atual. Por exemplo:
a- hoje não fala-se mais em triângulo do fogo -o correto é "tetraedro do fogo" onde o elemento reação em cadeia foi incluído ao Combustível,Calor e ao Comburente.

 b- hoje não  aplica-se mais a respiração boca-a-boca conforme mostra o vídeo, porém devemos lembrar que o cérebro humano começa a ter necroses de caráter irreversível a partir de 6 minutos sem receber oxigênio do organismo e, após 10 minutos, a possibilidade de morte cerebral é quase certa.(vide comentários abaixo)

 


obs: com relação a respiração boca a boca:
As novas regras para os primeiros socorros defendem que quem não tem formação em reanimação não deve fazer respiração boca a boca numa pessoa em parada cardíaca. Para os restantes, o salvamento continua a incluir esta manobra juntamente com a massagem cardíaca, por ser mais eficaz, dizem os especialistas.
A revisão das orientações surgiu  depois da publicação de um estudo que garante que a massagem cardíaca feita durante um ataque do coração é mais eficaz sem a respiração boca a boca.
A polêmica investigação, publicada no Journal of the American Medical Association (JAMA), foi feita de Janeiro de 2005 a Dezembro de 2009 e envolveu 4415 pessoas com mais de 18 anos que tiveram um ataque cardíaco fora do hospital. Deste total, 2900 (65,6%) não receberam qualquer auxílio durante o ataque, 666 (15,1%) foram submetidas a manobras de reanimação convencional e 849 (19,2%) apenas à massagem cardíaca.
A taxa de sobrevivência foi de 5,2% para quem não recebeu manobras de reanimação e de 7,8% para os que foram sujeitos ao salvamento convencional. Mas atingiu os 13,3% naqueles que apenas tinham tido massagem cardíaca.
A investigação causou polêmica. Contudo, o presidente do Conselho Português de Ressuscitação (CPR) alerta que, à semelhança da associação europeia, as novas regras da American Heart Association (AHA) dizem algo diferente. "Os reanimadores que tenham treino em reanimação devem fazer massagem e ventilação com um rácio de 30 compressões por duas ventilações", explica Rui Araújo. "Os que não têm treino nenhum, e contactam pela primeira vez com uma situação destas, podem fazer apenas massagem."

A respiração boca a boca se faz importante e necessária em casos de: 
Casos de afogamento
Casos de traumatismos
Crianças e bebês
Estudos comprovam que a massagem cardíaca firme e ritmada, é suficiente para manter a vítima viva até a chegada de socorro profissional sem a utilização da respiração boca a boca.
No caso de crianças e bebês, afogamento ou traumatismos, além da massagem cardíaca, é necessária a realização de  respiração boca-a-boca na proporção de 2 respirações (ventilações) para cada 30 compressões torácicas. Porém, em outras situações de parada cardíaca,  deve-se dar prioridade a massagem cardíaca, até que os socorristas cheguem para levar a vítima ao hospital.
fonte: http://www.tuasaude.com/quando-fazer-respiracao-boca-a-boca/
          http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1693795
           http://www.educacaofisica.com.br/index.php/ciencia-ef/canais-cienciaef/medicina-esportiva-socorros/5831-respiracao-boca-a-boca-reduz-chances-de-sobrevivência

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Trabalho em espaço confinado -risco e morte !



Tradução do video -
0:00
Este video ilustra alguns dos riscos à saúde e segurança dos espaços confinados-operações em  locais abaixo da superfície. A intenção do video é sua utilizaçãojunto aos programas de treinamento para a área.

Relato comum de trabalhadores ao serem questionados sobre os riscos do seu trabalho no espaço confinado:
0:23
"Acidentes em espaços confinados? Talvez se você trabalhe em uma mina ou algo assim...o trabalho que eu faço é simples..."
"Você ouve sobre inundações subterrâneas, escapamento de gases...nunca vi ninguém se machucar..."
"Somos bem treinados.Sabemos reconhecer problemas se eles aparecerem."
"Trabalho nesta indústria há vinte anos.Não lembro de nada ou nenhum problema sério neste tempo todo.Somos rápido o suficiente para resolver qualquer tipo de problema".
1:27
Fala o especialista: "Estas pessoas obviamente fazem o seu trabalho muito bem. Mas suas respostas quanto
aos perigos do trabalho em espaço confinado ignoram a realidade dos potenciais riscos mortais existentes. Incidentes nestes locais (fatalidades ou ferimentos) são incrivelmente parecidos (similares).
1:45
Após alguns exemplos de acidentes ocorridos nos EUA, o especialista resume " ...a morte em espaços
confinados acontecem sem dor, silenciosamente e sem nenhum aviso que possa dar alguma chance".
2:54
"Por que estes espaços são tão perigosos?"
3:00
Outro especialista na área que trabalha há 10 anos diz que os empregadores e os próprios trabalhadores não conseguem entender o perigo que há nestes locais."Se você não entende o perigo, você não toma as precauções necessárias para proteger-se dele".

"Espaços confinados existem de todos os tamanhos e diferentes extensões, mas os riscos são sempre os mesmos."

3:23
Uma ilustração inicia informando como nosso ar respirável  é formado : (abaixo a informação mais completa)
                 CONSTITUINTE                     VOLUME (%)

                  nitrogênio                                       78,08
                  oxigênio                                          20,95
                  argônio                                             0,93
                 dióxido de carbono                           0,03
                 outros                                                0,01
Alguns gases presentes nos espaços confinados podem "empurrar" a composição acima e reduzir
gradativamente o volume de oxigênio necessário. Operações como  no exemplo da ilustração, de uso de acetileno ou calor podem reduzir o  nível de oxigênio drasticamente.
A redução  de 20% para 16 % de oxigênio causará aceleração dos batimentos cardíacos e da respiração, dificuldade em raciocinar (fazer julgamentos) e perda da coordenação.

Reduzindo-se para 10% ou menos (6%) de oxigênio, será experimentado náuseas, vômitos, perda de consciência seguido de morte !

"Deficiências de oxigênio são particularmente perigosas porque provocam sonolência e embriaguez  que tiram do trabalhador o sentido de prevenção a tempo de poder escapar"
(são sensações agradáveis - não incomodam, pelo contrário...).

Monóxido de carbono e sulfeto de hidrogênio tem várias maneiras de infiltrar-se nos espaços confinados.
Vazamentos, despejo voluntário ou não,infiltrações diversas...

O monóxido de carbono não tem cheiro nem cor.É produzido pela queima incompleta de combustíveis de  motores a gasolina, queima de madeira, gás natural  ou materiais como  propano (presente nos botijões de gás das empilhadeiras) e podem ser letais na proporção de 1% ou menos !

O Sulfeto de hidrogênio é invisível e tem odor de ovo podre. Em altas concentrações talvez não seja possível sentir este cheiro característico. Morte acontece em segundos pela exposição ao Sulfeto de Hidrogênio.

Há tantas e variadas maneiras de gases infiltrarem-se num espaço confinado que somente testando-se a atmosfera do local, se pode ter a certeza que não há risco.

Muitos gases podem estar presentes em espaços confinados. 

O metano é extremamente inflamável. Uma simples faísca pode provocar a destruição de todo o ambiente ao seu redor (vide postagem no blog -  http://trabalhoacidentezero.blogspot.com.br/2011/06/gas-metano-acumulo-no-subsolo-e.html ) e na superfície. 

Podem haver gases remanescentes de soldas, pinturas, etc. O risco é o acúmulo que pode causar os danos irreversíveis aos trabalhadores.
8:28
O médico diz que em seus atendimentos destes casos : " os trabalhadores com sorte o suficiente para sobreviver contam que  estão bem num minuto e no outro perderam a consciência."  
" O corpo humano é como uma esponja - esponja para gases " -  não importa o quanto você é forte ou possa reter a respiração...tentar usar o telefone celular ou rádio...esqueça. Planejar como irá chamar pelo resgate não funciona!
8:53
Como então prevenir os acidentes destes trabalhos? Desenvolver procedimentos padrões e providenciar treinamento e educação para os trabalhadores.
9:14
Os procedimentos básicos para o Espaço Confinado -
1- Antes de entrar na área confinada, assegure-se que o entorno está livre de riscos.

2- Teste a atmosfera antes de penetrar no local. É essencial que você faça o teste em diversos níveis
     dentro do local a ser visitado.
    O primeiro teste é relativo ao nível de oxigênio - pode haver deficiência em qualquer um dos          níveis.
    O sulfeto de hidrogênio é mais pesado que o ar.
    O metano é mais leve que o ar e também é um gás explosivo.
    O monóxido de carbono não é mais pesado nem mais leve que o ar, portanto poderá estar       em qualquer nível do espaço confinado. É um asfixiante que expulsa o ar e provoca sufocação. 

Tenha certeza que os testes sejam feitos por um trabalhador treinado (monitor de espaço confinado). Os registros devem ser anotados em formulário adequado.

3-Se os níveis medidos forem considerados inseguros, será necessário ventilar o local. Testar novamente será necessário e obrigatório.
     Nunca usar a bomba de ventilação para puxar o ar (vácuo) dos espaços confinados, pois certamente irá  colocar (puxar) gases contidos na superfície das paredes do local. O ventilador deve sempre mandar ar fresco para o local !  O procedimento realizado desta forma mandará ar respirável para o local e irá prevenir a ocorrência de aumento da proporção de algum gás presente na área.

4- Assegurar que um vigia capacitado fique na entrada do espaço, munido de rádio e com possibilidade de  comunicação com os trabalhadores. Garantir que haja resgate em caso de emergência  utilizando os procedimentos de emergência corretos para o resgate.  Pessoas
habilitadas, autorizadas e credenciadas devem autorizar a entrada!

5- Dependendo do risco do trabalho a ser feito e da natureza  do trabalho, equipamentos e procedimentos mais sofisticados devem ser utilizados.  No exemplo uma linha de vida presa no cinto de segurança e um monitor de gases . Há também situações onde o trabalhador deve utilizar equipamento de respiração individual (ar próprio - cilindro).

mensagem final:
"Os espaços confinados são encontrados em todos os tipos de trabalho. Os riscos nunca são óbvios.
  Preparação e testes são a única defesa contra este "assassino potencial". O perigo é real !
  Seguindo os procedimentos estabelecidos a maioria dos acidentes em espaço confinados são prevenidos".








video -tradução :

São demonstradas 3 chaves fundamentais neste tipo de trabalho:
- Monitoramento da atmosfera.
- Ventilação efetiva.
- Uso correto dos dutos.

Começamos com um "vaso purificador" - todo o risco atmosférico foi removido.
Definição de área ou espaço confinado.
A maioria dos espaços confinados requerem o uso de ventilação forçada.
A atmosfera poderá ser altamente inflamável ou tóxica.
VOCs -Volatile Organic Chemichals
H2S    - Hydrogen Sulfide
SO²     - Sulpher DiOxyde
NOx    - Oxido de Nitrogênio
acrescento:
metano -CH4
propano - C3H8


Importante: não confie em seus sentidos para detectar estes riscos. Eles não são detectores adequados.
Um equipamento portátil pode ser utilizado para testar o ar atmosférico.

Teste a atmosfera em 3 níveis:
-teste o topo;
-teste o meio;
-teste o fundo.
Atenção : Atmosferas contaminadas frequentemente são mais leves ou mais pesadas que o ar.Isto causa a estratificação que significa que no topo do vaso ou do local a ser verificado pode estar livre de contaminantes e no fundo pode estar contaminado.

Ventiladores axiais são a melhor escolha para mandar ar limpo (positive displacement) para espaço confinado. Sempre deve-se ter certeza que tal equipamento esteja corretamente instalado e firmemente apoiado no solo.
Uma permissão de entrada é requisito básico para o início dos trabalhos.

Quando um trabalhador está dentro do espaço confinado, outro (vigia) deve estar à postos e em linha direta
de visão assegurando o estado de saúde e condições do seu colega.

Neste exemplo suponha que o vaso tenha 10 pés (3,048 mt ) de altura e 40 pés (12,48 mt ) de comprimento.O objetivo será mandar ar fresco para dentro desta área, eliminando qualquer substância nociva no ar respirável.
Então : se o espaço é de 10 pés de diâmetro x 40 pés de comprimento =
usa-se a fórmula ( ¶   x r² x comprimento )

 Lembrando que Pi = 3,1416
r²= raio ao quadrado (raio é meia circunferência)
e que  diâmetro é a menor distância interna passando pelo centro da circunferência.

Então:utilizando pés (medida utilizada no video ) temos:
3,1416  x  5²  x 40 = 3.140 pés cúbicos de espaço ou 88,915 de volume(convertido para nosso uso métrico).
O ventilador  calculado para enviar (por exemplo) 1.875pés cúbicos por minuto(53,094m³ por minuto).
Então para sabermos quanto tempo ele deverá mandar ar fresco para dentro do vaso, dividimos                   3.140 pela taxa do aparelho ventilador que no caso é 1.875 (em pés )
                                           3.140  :  1875  =   1,67 minutos
ou utilizando nosso sistema métrico : 88,915  :  53,094   = 1,67 minutos
Esta é a medida para ventilar o espaço.Uma estimativa na verdade.Sempre devemos assumir que poderá levar mais tempo para limpar o espaço.O ideal é enviar constantemente ar fresco para o interior do vaso.Dutos corretos irão garantir o suprimento correto de ar. Dutos curtos demais não irão garantir que todo o espaço receba o ar fresco e que haja expulsão de gases nocivos.No exemplo um duto mais longo garantirá que o ar chegue mais ao fundo, mas fique atento para a circulação do ar e gases.Aberturas adicionais se existentes garantem mais circulação e expulsão de gases.É a melhor opçãode segurança.Mesmo se for pequena,garante a circulação.
Se o trabalho criar fumaça(metálica ou não) , neste caso aspirá-la para fora é mais eficiente do que mandar ar limpo de fora para dentro.
               observação: volume em um corredor no subsolo é calculado de outra maneira: lembre-se que
área = a.b quando trata-se de um quadrado
volume é 3D ou m³   a.b.c - vide expansão da postagem para cálculo de volumes.

Unidade métrica de volume, utilizada em concentrações para expressar um produto químico num volume de ar. 
Um metro cúbico equivale a 35,3 pés cúbicos ou 1,3 jardas cúbicas. 
Um metro cúbico equivale também a 1000 litros ou a um milhão de centímetros cúbicos.

sábado, 17 de maio de 2014

Ergonomia - estudo e link para especialista na área

Matéria do "Ergo Informativo" n° 79 -2010 da ERGO - Assessoria e Consultoria em Saúde Ocupacional -
www.ergoltda.com.br


 Dez fatos e mitos quanto ao risco ergonômico - Hudson de Araújo Couto*


       A definição quanto à existência ou não de risco ergonômico é um dos pontos mais atuais e importantes da prática da Medicina do Trabalho e da Ergonomia. Isso porque, em tempos de nexo técnico presumido, para a grande maioria das empresas é previsto que a grande parte das doenças e lesões do sistema músculo-esquelético será automaticamente considerada como causada pelo trabalho; e os afastamentos dessa natureza representam nada menso que 60% a 70% de todas as ocorrências que tiram o trabalhador de sua atividade por mais de 15 dias. Assim, diante de um caso de um trabalhador afastado por transtorno musculoligamentar, a equipe de medicina do trabalho terá sempre a seguinte pergunta: há realmente um risco ergonômico que justifique o enquadramento automático do caso como decorrente do trabalho? Caso haja, não haverá o que discutir em relação ao nexo técnico presumido, sendo aplicáveis todas as medidas e direitos decorrentes desse nexo; caso não haja, caberá à empresa recorrer junto à prevideência social e reverter o caso para afastamento não ocupacional. Portanto, o ponto chave da conduta é a definição quanto à existência ou não do risco ergonômico. E esse ponto de decisão contém algumas questões sutis, que necessitam ser esclarecidas.
     Ninguém tem dúvida em situações óbvias. As dúvidas aparecem em trabalhos de manufatura, onde as pessoas se envolvem com movimentos repetidos muitas vezes durante a jornada; e também no trabalho comum em escritóriso ou atividades de tele-atendimento, onde ocorre uma tendência à generalização do risco.

 Trabalhos com esforços muito intensos costumam ser de alto risco ergonômico - FATO
    Não há qualquer dúvida quanto à existência de risco entre trabalhadores envolvidos em carregamento de sacas de mantimentos ou de cimento de 50 a 60 kg, mesmo que ocasional (mesmo em indivíduos fortes). Também não há dúvida quando as pessoas tem de que fazer esforços críticos, de alta exigência, especialmente relacionados a esforços para a coluna vertebral. Outros profissionais como mecânicos envolvidos em atividades de alta exigência sem as ferramentas para tal. Também aqueles que trabalham por tempo prolongado em ambientes muito quentes. Nesses casos, a sobrecarga biomecânica ou fisiológica acima dos limites de tolerância das estruturas orgânicas é o fator determinante do risco.

A repetição de um mesmo padrão de movimento se constitui em risco ergonômico - MITO
    Os estudos científicos são bem conclusivos quanto ao papel patogênico da repetição de um mesmo padrão de movimento, em alta velocidade e por jornadas prolongadas. Essa tríade eu a denomino de repetividade patogênica. Ela pode ficar bem caracterizada para o leitor ao abordarmos a repetição não pato
gênica.
   Não é patogênica a repetição em que o trabalhador tem os tempos corretos de recuperação de fadiga, estudados por técnicas científicas. Tampouco é patogênica a repetição em velocidade normal a baixa; ou quando há rodízios adequados. Em empresas, é muito comum que, mesmo sem haver rodízio entre tarefas,o trabalhador tenha um período longo de uma atividade complementar, de exigência diferente. Por exemplo, numa situação em que, embora não haja rodízio na tarefa, ao final de um certo número de peças produzidas, o trabalhador sai daquela posição e dirige-se para outra máquina onde faz uma operação complementar naquele conjunto de peças previamente trabalhadas. Outra situação de repetividade não patogênica é quando a tarefa tem , em si, tempos de pausa curtíssima suficientemente longos para permitir o repouso. Ou quando existe uma concessão significativa em termos de tempo para preparar a produção ou para finalizá-la.A chance de uma repetição de movimentos ser caracterizada como patologia é também menor quando há boa postura do corpo ao executar o trabalho, quando existe pouca força, quando há pouco esforço estático e quando a carga mental é razoável.

Mas, em certas condições a repetição de um mesmo padrão de movimento se constitui em risco ergonômico - FATO

   Assim, é nitidamente patogênica a repetividade em que o trabalhador tem ritmo muito forçado, quando não faz rodízio de movimentos e mantém  o mesmo padrão durante toda a jornada, quando faz horas extras nessa atividade e quando há ainda fatores biomecânicos complicadores, como força excessiva, desvios posturais, postura estática e alta carga mental na atividade. E quando não tem as necessárias pausas de recuperação.

Ciclos menores que 30 segundos são de risco ergonômico - MITO

   Caso no ciclo existam os mecanismos de regulação, especialmente as pausas curtíssimas suficientes, não haverá risco.

Mas ciclos muito curtos tem maior chance de apresentar risco ergonômico - FATO

  No caso de ciclos menores que 10 segundos, é muito pouco provável haver pausa curtíssima suficiente. Nesses casos, antes de afirmar existir o risco ergonômico, é fundamental checar se há ou não rodízios eficazes e se há ou não tempo de recuperação de fadiga.

Um trabalho repetitivo, em condições bem gerenciadas, pode não ter risco ergonômico;a mesma
realidade biomecânica, mal gerenciada, pode ser de risco ergonômico - FATO

  Definimos organização do trabalho como o conjunto de planos administrativos visando atingir as metas estabelecidas. Ela se constitui num somatório de 9 letras, mnemonicamente fáceis de serem guardadas:
1T e 8M (tecnologia,maquinário,manutenção,matéria-prima,material,método,recursos do meio ambiente,mão-de-obra e money).Quaisquer disfunção importante em algum desses componentes pode resultar em risco ergonômico. Por exemplo, guidões de paleteiras elétricas sem manutenção podem resultar em grande esforço físico para os braços do trabalhador e, consequentemente, lesão ergonômica. Outro exemplo, aumentar as metas sem considerar a capacidade das equipes costuma resultar em aceleração dos processos produtivos, horas extras e, portanto, aparecimento de risco ergonômico onde previamente não existia. Sutil? Muito!

O trabalho em escritório costuma ter muitos fatores de risco ergonômico - FATO

 O risco pode ser caracterizado em situação de desajustes biomecâmnicos bastante significativos. As condições mais frequentes são : cadeiras e assentos muito ruins, mesas impróprias para a atividade gerando má condição biomecânica, quina viva em mesa de trabalho, uso inadequado do notebook, diretamente sobre a mesa com encurvamento da coluna e telefone preso ao pescoço enquanto se trabalha. Além disso,
costuma haver risco ergonômico em situações de alta carga mental.
  As questões relacionadas ao desconforto térmico, desconforto acústico e má iluminação , fugindo dos parâmetros fixados pela NR17, devem ser consideradas como causadoras de desconforto, dificuldade ou fadiga, não se constituindo em risco.

Trabalhos de alta carga mental são sempre de risco ergonômico - MITO

  Trata-se de uma questão complexa. A ISO desenvolveu em sua norma sobre o assunto (Norma 10.175 -1991 a 2004) um modelo em que as seguintes características do trabalho podem ser consideradas causadoras de carga mental: exigências de tarefa (atenção prolongada, processamento de informação, responsabilidade, padrões temporal e de duração da jornada de trabalho, conteúdo da tarefa e perigo),
condições físicas do ambiente (iluminação, condições climáticas, ruído, tempo e odores), fatores sociais e organizacionais ( tipo de organização, clima organizacional, fatores do grupo, liderança , conflitos, contatos sociais) e fatores externos ( demanda social, padrões culturais e situação econômica ). Segundo o mesmo modelo, características pessoais diversas são capazes  de modificar a relação de estresse e de carga mental diante das exigências do trabalho, sendo relacionadas as seguintes: nível de aspiração, auto-confiança, motivação, atitudes, capacidade de lidar, habilidades, qualificações, conhecimento, experiência, condição geral de saúde, constituição física, idade, estado nutricional e niível de ativação inicial.
  Conformem se pode perceber desse modelo, não há regra fixa, e uma situação que poderia trazer sobrecarga mental para uma pessoa pode ser atém mesmo motivo de desafio e auto-desenvolvimento para outra. Apesar dessa dificuldade, diversos autores concordam que a carga mental tem um potencial patogênico nas situações de muitos prazos-limites apertados, em casos de falta de controle do indivíduo sobre o resultado de seu trabalho, com possíveis consequências graves, e nas situações em que se deixam pontas mal finalizadas, com possíveis consequências importantes, tal como reparos feitos sem a precisão final necessária em situação de risco - ex. mecânico de uma aeronave que tem que colocar uma peça fora da especificação.
  Seria caracterizado o risco ergonômico por carga mental quando uma porcentagem importante de trabalhadores daquela atividade  esteja apresentando sintomas de transtornos mentais, comparados a outros grupos de outras funções. Essa diferença deve ser demonstrada por teste estatístico (quiquadrado, razões de chance e outro).
   Isso nos remete, por fim, à conclusão de que existir ou não o risco ergonômico por sobrecarga mental não está relacionado  a um tipo de estabelecimento ou um tipo de atividade.

Trabalhar em call-center é de alto risco ergonômico - MITO

  Embora na atividade de call-center exista uma série de itens causadores de estresse e carga mental, é um sofisma fazer a generalização de que trabalhar em call-center é igual a sofrer de estresse e sobrecarga mental.
  Em alguns call-centers costuma existir os três fatores mais implicados em sobrecarga mental acima citados:
controle rígido sobre o tempo e resultados, falta de controle sobre as reclamações dos clientes e não conclusão do processo, gerando pontas. Mas também é verdade que há call-centers bem gerenciados, com bom ambiente de trabalho, feedback bem feito, meritocracia, melhoria gradativam dos sistemas, pausas, treinamento bem feito dos novatos e ações efetivas visando facilitar o trabalho dos atendentes.
  Assim, a existência ou não de risco ergonômmico em call-centersm está relacionada mais à qualidade da ação gerencial: naqueles bem administrados, trabalha-se num nível de tensão correto, sem sobrecarga. Nos mal gerenciados, é comum haver alta frequeência de adoecimento por transtornos mentais.

Posso fazer a definição do risco ergonômico com base em check-list - MITO

  Numa análise ergonômica, os check-lists são ferramentas complementares e não deveriam ser usados como ferramentas únicas. Qual é sua grande limitação com esse intuito? É que eles em geral não medem a existência ou não de mecanismos de regulação.


CONCLUSÃO

  Uma das características mais marcantes do risco ergonômico é a sua oscilação dependente da realidade de momento de uma determinada empresa. Assim, é possível que, em determinado mmmmomento não haja um risco ergonômico e em outro momento, poucos dias após, já exista o risco. Ou o contrário. Também depende do tipo de produto, de haver produções mais fáceis ou mais difíceis; de haver uma coleção de verão ou de inverno na indústria de confecções; e assim por diante.
  Estar atento a todos esses detalhes e sutilezas é função do especialista interno em ergonomia, por isso tem a ver diretamente com o reconhecimento ou não do risco por ocasião de um afastamento médico.
  De qualquer forma, uma boa orientação para o leitor é saber que os fatores que mais determinam risco ergonômico são:   a intensidade de um determinado fator, a frequência do exercício dessa ação técnica ao longo da jornada e a taxa de ocupação. E um dos melhores meios de detectar o impacto desses fatores é a prática da ferramenta intitulada censo de ergonomia, que se constitui basicamente em perguntar a todos os trabalhadores por ocasião da revisão periódica:  você considera  que no seu trabalho há algum fator que lhe cause desconforto, dificuldade ou fadiga?
A análise estatística das respostas pode orientar muito para a caracterização ou não do risco ergonômico.


"Os três principais fatores determinantes do risco ergonômico são:

 - INTENSIDADE DA EXIGÊNCIA;

 - FREQUÊNCIA;

 - TAXA DE OCUPAÇÃO.


Veja o outro Informativo (n° 80 ) " 11 equívocos e mal-entendidos quanto ao 
 conceito de ergonomia e sua prática."
 no site da Ergo - Assessoria e Consultoria em Saúde Ocupacional.link:
 Ergo - Av. Getúlio Vargas 668/ 1306 - Belo Horizonte - MG

Médico, graduado pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, 1974.
Médico do Trabalho, UFMG, 1975, tendo exercido a especialidade durante 11 anos em empresa do setor metalúrgico, Belo Horizonte, tendo inclusive desempenhado o cargo de Gerente de Recursos Humanos.
Especialista em Medicina do Trabalho, com título reconhecido pelo Conselho Federal de Medicina; Prova de Título de Especialista em Medicina do Trabalho pela ANAMT (Associação Nacional de Medicina do Trabalho) em 1989.
DOUTOR EM ADMINISTRAÇÃO pelo CEPEAD - Faculdade de Ciências Econômicas, Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, 2000 – tendo desenvolvido a Tese de Doutorado a respeito do FENÔMENO LER/DORT NO BRASIL: NATUREZA, DETERMINANTES E PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES E DOS DEMAIS ATORES SOCIAIS PARA LIDAR COM A QUESTÃO.
Ex-Diretor Científico da ANAMT (Associação Nacional de Medicina do Trabalho), gestões 1998-2001 e 2001-2004.
Professor Universitário de Fisiologia, da Faculdade de Ciências Médicas, desde 1975; atualmente coordenador da Disciplina de Fisiologia para o Curso de Medicina e de Fisiologia do Exercício para o Curso de Fisioterapia.
Coordenador Geral da Pós-Graduação em Medicina do Trabalho da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, Belo Horizonte
Coordenador do Curso de Especialização em Ergonomia Aplicada ao Trabalho – Lato Sensu- da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, Belo Horizonte.
Cursos no Exterior diversos, bem como estágios técnicos, no Center for Ergonomics, The University of Michigan, 1984, 1989, 1992, 1994,2000 e 2005
Estágios Técnicos em Ergonomia em Dortmund (Alemanha), Zurich (Suiça) e Nottingham (Inglaterra), 1989.
- Autor de  livros sobre a Área de Ergonomia. 

domingo, 30 de março de 2014

Trabalho em altura : improvisação e acidente.

Acidente de trabalho devido à falta de atenção ao disposto na NR 35 - Falta de supervisão, equipamento inadequado,improvisação,etc. Exemplo básico das consequências terríveis de uma queda em altura mínima (2 metros aproximadamente). A NR 35 está à disposição no site do Ministério do Trabalho. Conheça a Norma Regulamentadora que garante a integridade física do trabalhador.

sábado, 29 de março de 2014

PPRA - Considerações Gerais

Quais são os objetivos do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais -PPRA?

Os objetivos do PPRA são:
-Garantir a salubridade, preservar a saúde, assegurar padrões adequados de saúde e bem-estar, prevenir riscos ocupacionais e proteger o meio ambiente e os recursos naturais.

A quem compete a elaboração do PPRA:
-A elaboração do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais deve ser feita pelo SESMT ou por pessoa ou equipe que, a critério do empregador, seja capaz de desenvolver corretamente a NR-9, ou por um profissional habilitado e qualificado.

Quais são as fases que devem ser obedecidas para elaboração de um PPRA:
-Deve-se obedecer as fases de antecipação,reconhecimento,avaliação e controle.

O que consiste a fase de antecipação para elaboração de um PPRA?
- A fase de antecipação de um PPRA consiste na concepção do projeto, no estudo de novos processos ou produtos , no estudo das modificações dos modificadores do processo, nas alterações necessárias aos postos de trabalho e na criação de uma equipe multidisciplinar.

Em que consiste a fase de reconhecimento para a elaboração de um PPRA?
-A fase de reconhecimento para elaboração de um PPRA consiste na identificação propriamente dita dos riscos físicos, químicos e biológicos a que o trabalhador estará sujeito.

Quais são as principais dificuldades encontradas para a elaboração de um PPRA?
-Não há uma norma bem esclarecedora. Há um total desconhecimento do método empregado, inexistência de profissionais, pouca disponibilidade de equipamentos e uma verdadeira indefinição de um modelo apropriado de documento-base.

Em que consiste a fase de avaliação para a elaboração de um PPRA?
-Na fase de avaliação  para a elaboração de um PPRA é preciso medir a concentração ou intensidade da exposição ocupacional para fazer comparações, buscar subsídios para estudos epidemiológicos, fornecer dados para projetos  de medidas de controle e comprovar o
controle da exposição ou a inexistência de valores acima dos limites de tolerância ou de nível de ação, além de haver a necessidade de uma boa avaliação quantitativa.

Em que consiste a fase de controle para a elaboração de um PPRA?
-A fase de controle para a elaboração de um PPRA é uma consequência das três fases anteriores, pois é a partir dos dados relativos às fases de antecipação , reconhecimento e avaliação que se poderá propor ou adotar medidas que possam eliminar diminuir ou controlar o(s) risco(s) presente(s) no ambiente de trabalho.

Como devem ser aplicadas as medidas de controle?
-Devem ser aplicadas de acordo com as situações verificadas em cada uma das fases anteriores (antecipação, reconhecimento e avaliação).

Que medidas de controle devem ser tomadas na fase de reconhecimento?
-Nesta fase é preciso , a partir dos dados coletados com os próprios trabalhadores ou pela inspeção tomar medidas de controle , muitas vezes paliativas, até que se possa tomar a medida de controle definitiva.

Que medidas de controle devem ser tomadas na fase de avaliação?
- As medidas de controle tomadas na fase de avaliação dependem de cada empresa, de cada setor e variam de acordo com a própria natureza da avaliação.

Quais são as primeiras medidas  que devem ser tomadas para controlar os riscos físicos, quimicos e biológicos?
-As primeiras medidas de controle dos riscos físicos, quimicos e
biológicos devem visar a eliminação ou, se isso não for possível, pelo menos a redução  da existência de agentes prejudiciais à saúde do trabalhador.

Se houver , inevitavelmente , a formação ou produção de agentes prejudiciais à saúde  do trabalhador, que medidas devem ser tomadas?
-Devem ser tomadas medidas que possam prevenir a disseminação de tais agentes no ambiente de trabalho ou diminuir , o máximo possível, a concentração desses agentes.

Não sendo possível nenhuma dessas medidas, que deve ser feito?
-Devem ser tomadas medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho e utilização de equipamentos de proteção individual (EPIs) com o devido treinamento para assegurar a sua eficiência.

Qual a periocidade de avaliação do PPRA?
-a) Anual : entre o nível de ação e o limite de tolerância;
-b)Bianual: para valores encontrados  até o nível de ação;
-c)em qualquer tempo: para estabelecimento de nexo causal ou se o limite de tolerância for ultrapassado.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

operador de empilhadeiras - acidentes

Falta de atenção? Pressa,improvisação, exceção (só hoje...), princípio da auto exclusão (as coisas só acontecem com os outros) e finalmente presunção (assumir responsabilidade - eu acho que...).